Mundo Sombrio - Um Fórum Assustador E Real - Entre Se Tiver Coragem

O Mundo Sombrio está de volta, dessa vez em Blog, visite: http://mundosombrioculto.blogspot.com.br

O Mundo Sombrio Tem Um Conteúdo Assustador E Real - Entre Se Tiver Coragem

Estatísticas

Os nossos membros postaram um total de 2426 mensagens em 1888 assuntos

Temos 473 usuários registrados

O último usuário registrado atende pelo nome de MarshaWag

Últimos assuntos

» Medusa
Qui Mar 26, 2015 9:56 pm por tifanysangrenta

» Topico Criado Para Membros Novos
Sab Jul 12, 2014 11:35 pm por † Maurício †

» Como fazer O JOGO DO COPO
Seg Jun 30, 2014 1:14 pm por John Doe

» Livro: A ilusão de Lilith
Qua Jun 11, 2014 10:34 am por SECRET LOBA BRANCA

» A Lenda da Estatua.
Dom Jun 08, 2014 6:52 pm por SECRET LOBA BRANCA

» Olá :D
Sex Jun 06, 2014 12:25 pm por † Maurício †

» Apresentações - Como Tudo Começou e Muito Mais
Dom Jun 01, 2014 8:55 am por † Maurício †

» As 7 Profecias Maias
Sex Maio 30, 2014 4:31 am por † Maurício †

» Oi
Seg Fev 24, 2014 9:04 pm por † Maurício †

Quem está conectado

2 usuários online :: Nenhum usuário registrado, Nenhum Invisível e 2 Visitantes

Nenhum


O recorde de usuários online foi de 1036 em Qui Set 18, 2014 3:25 pm

Parceiros


Bep-Kororoti

Compartilhe
avatar
† Maurício †
ADMINISTRADOR
ADMINISTRADOR

Mensagens : 1934
Pontos : 16370
Reputação : 11
Data de inscrição : 27/11/2011

default Bep-Kororoti

Mensagem por † Maurício † em Qui Abr 11, 2013 3:03 pm

Uma tradição Kayapó descrita por Erich Von Däniken nos anos 70 em seu livro "Semeadura e Cosmo" é considerada pelos ufólogos como testemunho da visita ou presença de extraterrestres na floresta amazônica:
.
Reza a lenda que os Kayapós eram nômades e viviam da caça e pesca. Em uma determinada noite, os Kayapós estavam acampados ao pé da Serra Pukatôti, uma montanha que causava temor e desconfiança porque estava sempre coberta de brumas misteriosas, barulhos e relâmpagos. Naquela noite, o barulho e os relâmpagos foram provocados por um suposto OVNI que passou sobre o acampamento e ficou estático no alto da montanha. Ao amanhecer, os guerreiros mais valentes da tribo foram verificar alguns possíveis vestígios do fenômeno ocorrido na noite subindo a montanha. E esse grupo de guerreiros valentes foi surpreendido por uma estranha aparição: um Kuben (estrangeiro grande, um invasor de aspecto físico esquisito) entre as brumas.

O Kuben tinha apenas um olho e não fora perceptível qualquer sinal de boca, cabelos e nariz na entidade. Só que o ser estava armado com uma poderosa clava que lançava raios que desintegravam pedras e árvores. O grupo atacou o Kuben, mas qualquer um que tentava agarrá-lo levava um choque tão forte que caia desacordado. O mais incrível é que os guerreiros Kayapós lutavam bravamente contra o invasor, mas, no entanto, este parecia estar totalmente indiferente com os ataques dos guerreiros e, ainda, divertindo-se às gargalhadas com a situação. Quando os índios perceberam que não tinha a menor chance de sucesso num confronto com o Kuben, resolveram desistir. Mas também perceberam que, apesar de forte e poderoso, o Kuben não dava o menor sinal de hostilidade ou interesse de atacar quem quer que fosse. Assim, o grupo saiu de lá e retornou para a tribo. De vez em quando, o estrangeiro estranho era avistado nas trilhas da montanha sem que fosse perturbado pelos guerreiros, que preferiam fingir ignorar a criatura. (...)

Com o passar do tempo, o Kuben passou a visitar com mais freqüência a terra dos Kayapós e, numa determinada noite, alguns jovens índios foram banhar-se num lago e avistaram um outro invasor. Só que este era bem diferente do outro Kuben – o gigante da montanha. Ele era como nós; bonito, tinha pele clara, era alto, esguio, forte e estava completamente nu tomando banho. O estranho também avistou os jovens índios, mas se demonstrou absolutamente indiferente com eles agindo como se os jovens índios nem estivessem por ali. Corajosamente, os jovens se aproximaram e tentaram falar com o estranho. Resultado: o estranho se apresentou como tendo o nome de Bep-Kororoti, que tinha chegado do céu e havia sido atacado por eles na montanha. Os jovens retrucaram o estrangeiro do céu dizendo que eles haviam atacado outro estrangeiro na montanha – um monstro alto com uma clava poderosa. E para surpresa dos jovens Kayapós, Bep-Kororoti – em tom divertido – explicou que ele estava usando uma roupa protetora e que naquele momento ele havia tirado para se banhar. Os jovens Kayapós ficaram alegres com a descoberta e levaram o estranho para o acampamento.

A lenda descreve que Bep-Kororoti era alegre, esperto e responsável por muitos conhecimentos dos Kayapós. Bep-Kororoti ensinou os índios a construir uma aldeia circular e uma praça com a Escola Tribal (ngó-be), que funcionasse como centro de atividades – entre os quais estavam os cânticos, danças, discursos, trabalhos manuais para melhorar o djudê (arco), a Kruá (flecha) e a Kô (borduna). Os índios Kayapós também criaram a Kóp – uma clava para ataque e defesa e que copiava a forma da clava poderosa de Bep-Kororoti. O alienígena organizou a liderança da tribo, de forma que Benadiôro (chefe da aldeia) teria de ser atencioso com todos e seria quem mais tinha deveres do que direitos. Bep-Kororoti determinou que o Conselho de Anciãos da aldeia tivesse que ajudar o chefe a tomar decisões. Em suma, os índios Kayapós atribuem a Bep-Kororoti o fato de terem se tornado organizados e sabidos. Já Bep-Kororoti pareceu ter adorado a tribo, pois ele acabou se casando com uma mulher de lá e teve filhos deste casamento.

Mas as coisas foram mudando e Bep-Kororoti começou a destinar a maior parte de seu tempo para a sua filha Niôpoti, nas proximidades da Serra Pukatôti. E num certo dia, durante uma caçada, Bep-Kororoti se desentendeu com os outros índios e desapareceu no mato. Por alguma razão, Bep-Kororoti cobriu sua família com uma pintura preta e a deixou num abrigo. Em seguida ele teria voltado a vestir seu traje que dava choques e se armar com sua clava de raios desintegradores e, ainda, inusitadamente, ele desafiou toda a tribo. Acreditando que Bep-Kororoti tinha enlouquecido, os Kayapós tentaram dominá-lo à força, mas tal como aconteceu nos contatos iniciais na montanha, não houve quem vencesse Bep-Kororoti.

Por fim, Bep-Kororoti subiu a serra Pukatôti e, momentos depois, foram ouvidos trovões e raios que alcançaram sua família, tendo ela sumido após isto. O que os Kayapós descrevem após isso é que todos da aldeia viram a “canoa voadora” de Bep-Kororoti subindo rumo ao céu até desaparecer. Mas não foi toda a família de Bep-Kororoti que sumiu indo para o céu na “canoa voadora”, pois a filha Niôpoti, que já estava casada e grávida, ficou na aldeia. Infelizmente, os Kayapós passaram por momentos dramáticos após a ida de Bep-Kororoti. Houve mudanças climáticas na região que fez com que a tribo parecesse de doenças e passasse necessidades. Niôpoti, mediante a situação, se cobriu de uma tinta preta e fez o mesmo com seu filho. Falou para seu marido aguardar seu retorno, pois iria buscar ajuda de Bep-Kororoti acompanhada do filho. Finalmente, Niôpoti sentou numa espécie de canoa e, depois de ouvirem uma espécie de trovão, subiu em direção às nuvens com o OVNI.
Passaram alguns dias e finalmente Niôpoti retornou acompanhada com seu filho, irmão e mãe na “canoa voadora”. Todos trouxeram remédios (pidiô), alimentos e sementes (kukren), porém, após entregarem, retornaram para o céu e desapareceram definitivamente. E atendendo às recomendações de seu pai, Niôpoti levou o povo Kayapó para morar na Serra Pukatôti onde encontraram “casas de pedras feitas por Deus”. O povo Kayapó habitou essas casas por muitas gerações.

Mais alguns detalhes:
Nyobogti trouxe, com os alimentos, algumas instruções: a aldeia deveria mudar-se para Pukato-ti, onde receberiam novos alimentos e as sementes deveriam ser plantadas na próxima temporada de chuvas. Assim fizeram os índios e foram felizes para sempre! (até a chegada do “homem civilizado”, com sua bebida, suas doenças e sua religião intolerante)

Bep-Kororoti ensinou sua filha a pilotar o veículo, que deveria ser pequeno em relação ao seu e que ele deixou para trás na sua partida, para ser usado em uma emergência.


Este mito é ensinado até hoje na casa dos homens, e envolve um ritual onde os índios se vestem com uma roupa de palha representando o traje e a máscara sagrada de Gororoti, acompanhado de espingardas, que simbolizam a arma desintegradora que se chamava kob .

Bom Medo Extremo
Fonte:Revista UFO e site Sofá da Sala

    Data/hora atual: Sab Nov 25, 2017 4:32 am